sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Incertezas.

No medo da dor
No insensato do amor
Corro e procuro um abrigo
Estou em busca de proteção
As amarras estão soltas
E os grilhões não prendem mais
E o que faço agora?
Pra onde vou essa hora?
Será se há solução?
Será se tenho compreensão?
Os caminhos se mostram
E as escolhas se escondem
Enquanto a vontade aparece
A coragem some
Consigo levar adiante esse amor?
Ou estaria ele se transformando em dor?
Do que será que sou capaz?
Do resto eu posso até não saber.
Mas de você eu gosto mais.

2 comentários:

Francorebel disse...

Muito lindo o seu modo de questionar as coisas da vidaneste momento... o amor está aí, e isso é demais!

Abraço, parabéns pelo selo que você recebeu e obrigado pelo selo que me ofereceu!

Francorebel.

Rê Thuler disse...

A ultima frase foi certeira, a resposta para todos os questionamentos.
A gente teme, se preocupa, tem duvidas, mas no final o sentimento de "gostar" fala mais alto, e faz com que esqueçamos de procurar tantas respostas, para essas perguntas sem explicação mesmo.
Nós gostamos e pronto, o resto se ajeita.

parabens pelo blog.
beijoooo
e mais uma vez obrigada pelo selo.

Postar um comentário

Comente! É a sua chance de dizer a respeito do que leu! =)