sábado, 18 de setembro de 2010

O mundo está...


Num momento de cultura inútil, lí uma entrevista do Alexandre Frota à Globo.com. O conteúdo não importa, apenas uma frase me chamou à atenção. Segundo ele, o mundo está "viadinho demais".

As pessoas agora se cercam de todo e qualquer cuidado a fim de evitarem sofrimentos a qualquer custo. Remédios específicos à portadores de transtornos e síndromes, se transformam em moeda de troca de baixo valor. Rivotril é o novo Dramin. Quer dormir durante uma viagem? Com toda certeza, há alguém que vai oferecê-lo a você.

Não se pode sofrer, não se pode chorar. Tem alguma dor? Um vazio no peito? Uma crise existencial? A farmácia é a solução.

Em contrapartida, enquanto uns querem minimizar a dor, outros querem se livrar dela mesmo antes que apareça. Só vêem o que querem enxergar, só fazem quando têm algo a ganhar.

E assim, o mundo vai nessa mudança incessante, nessa vontade louca de adquirir, que seja poder, status, segurança e visibilidade.

Não se pode dizer que a roupa da fulana é feia que você corre riscos de responder a um processo por calúnia e difamação. E dessa forma, as pessoas vão se escondendo e se livrando. Livrando-se de quê exatamente?, eu me pergunto. Mas, de imediato, obtenho a resposta: livrando-se da dor, do medo, da angústia e do sofrimento.

E assim, vão-se as pessoas, se livrando, se esquivando e exigindo uma distância mínima, querendo um lugar de conforto que não as pressione, não as faça pensar nem agir.

O mundo então segue seu curso cheio de  individualistas e repletos de covardes insensíveis. Afinal, há ONG's e organizações pra todo tipo de coisa. Será se não existe uma do tipo: "Associação das pobres mulheres com cabelo indisciplinado"? ou uma "Organização não governamental para mulheres que sofrem por terem olhos azuis mas que queriam olhos verdes"?

É Frota, nessa questão até concordo com você - mas juro que é somente nesta - o mundo está viadinho demais.

5 comentários:

Lucas C. disse...

HAHA! Duvido que a indústria farmacêutica esteja precisando de uma forcinha. Nunca ouviu-se falar tanto nisso. Você está coberta de razão. O mundo não está viadinho demais, as pessoas que estão loucas em busca de aceitação e felicidade. Uma falsa felicidade.

Vanessa Ribeiro disse...

Nossa, que debate eiin. Adorei, direta e certeira.
SE o maior problema do mundo fosse 'viadinhos demais' estariamos felizes, pelo menos grande parte. Sim, hoje temos remédio para tudo, e qualquer coisinha cura tudo ;) Pra que dor? Nos dopamos do mundo para que ninguém veja o que passamos. Cabe a cada um sabe o que se vale ou não sentir. beeijos

Francorebel disse...

Não sei se entendi muito bem o post.

Talvez você esteja falando da futilidade e da imbecilidade que reina por todos os lados... mas coisas boas acontecem... boas e más produções, minhas, suas... ok?

Abraços!

Rayane France disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rayane France disse...

Ér, as pessoas querem comprar os remédios para o seu psicológico em farmácias, e procurando a solução para os seus problemas em frascos !

Postar um comentário

Comente! É a sua chance de dizer a respeito do que leu! =)