segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Escuro

Busquei na ausência
A presença que não existia
E cobrei do tempo
A pressa que me adoecia
Tentando enxergar através de um vidro embaçado
Tateando no escuro em busca de um fim
Um final
Um ponto
Ou o que fosse parar aquilo
Que era dor
Que era amor
Ódio, esperança ou ilusão
Nem nomear o que eu sentia eu sabia
Como fugir do vértice do furacão?

Como dizer aquilo sem mentir?
Como me salvar sem fugir?
Qual é exatamente a definição de covardia?
Medo que acomete o sujeito?
Ausência de coragem pra tentar?

Me chame do que quiser
Mas não diga que deixei de lutar
Porque estive ali
Na chuva
De pé
No frio e ao vento
Parada
Esperando você terminar
E agora,
Estou jogada aqui no escuro
Lugar inseguro
Esperando tudo acabar.

2 comentários:

Thamires Viel disse...

Já me senti tantas vezes no escuro, agora trago comigo um raio de sol que é pra iluminar tudo e todos. :]

Francorebel disse...

"Busquei na ausência
A presença que não existia"

Hum, que frase boa, começou bem e... terminou melhor ainda:

"Estou jogada aqui no escuro
Lugar inseguro
Esperando tudo acabar."

Chique demais isso. Bj.

F.

Postar um comentário

Comente! É a sua chance de dizer a respeito do que leu! =)